Confira as dicas da nossa colunista Thamara Kinsk.

FISIOTERAPIA NO ESPORTE

Se perguntarmos para as pessoas o que é a fisioterapia, a maioria delas vai associar a arte com a técnica de massagem, que nós fisioterapeutas, muitas vezes, utilizamos em nossos atendimentos. Mas como disse, é uma das técnicas que podemos utilizar. Por isso, apareço por aqui para falar de fisioterapia no ciclismo. E acreditem! A nossa atuação vai além do “famoso” recovery.

Aproveitarei o momento atípico no qual estamos vivendo para falar um pouco sobre PREVENÇÃO DE LESÕES NO CICLISMO.

Quando comecei a pedalar, ouvi a seguinte frase: “Andar de bike é uma arte, cair faz parte!”. Acredito que todo ciclista já caiu alguma vez, do iniciante quando teve sua primeira experiência pedalando “clipado”, ao profissional que sofre quedas em pelotões. E como se prevenir nestas situações? O uso de equipamentos de proteção é indispensável! O trio de segurança, composto por capacete, óculos e luvas, deve fazer parte dos nossos pedais. Conhecer o local onde se vai pedalar e ter um conhecimento básico sobre a técnica pode te salvar de algumas quedas.

Por outro lado, as lesões por sobrecarga acometem principalmente a lombar e os membros inferiores. Várias patologias poderiam ser citadas, mas vou ressaltar as medidas de prevenção.

O ponto de partida é a realização de um bom Bikefit, seja você um ciclista recreativo, amador ou profissional. Ele consiste em um processo de otimização da posição do ciclista na bicicleta, por ajustes feitos nos 3 pontos de contato na bicicleta, deixando o ciclista em harmonia com sua bike, além de deixar a posição mais confortável para pedalar.

A avaliação biomecânica é um conjunto perfeito ao bikefit, pois avalia o movimento, a ativação sinérgica dos grupos musculares, a estabilidade de pontos fixos e o alinhamento dos seguimentos do nosso corpo durante a mecânica da pedalada. Aí entra o fisioterapeuta, que te ajudará a alcançar um movimento mais próximo do ideal, dentro da sua individualidade e da especificidade do esporte, tendo como resultado a diminuição do risco de lesão, economia de energia e melhora da performance.

Toda a equipe que compõe a medicina esportiva se faz necessária para realizar ajustes na periodização e progressão dos treinos, alimentação, correção de movimento, dentre outros. No entanto, ressalto que o acompanhamento com o médico do esporte é fundamental para qualquer pessoa que pratica esporte, pois alterações metabólicas, hormonais, nervosas, por exemplo, podem interferir na resposta muscular e comprometer a evolução do desempenho do atleta.

Feito todos estes acompanhamentos, chegarão os treinos longos, de muita subida, ou terreno difícil com muita técnica a ser aplicada. Após estes treinos, o recovery é bem vindo. Existem alguns tipos de recuperação muscular. São eles: Crioterapia por imersão, Bota de compressão pneumática (com ou sem crioterapia), massagem esportiva e os rolinhos de soltura.

Deixo aqui algumas dicas de exercícios de estabilização que irão te ajudar a pedalar com mais qualidade.

  • Exercício de Prancha
Manter a posição de 30 segundos a 2 minutos. Repetir 3 vezes.
  • Exercício de Ponte
Fazer o movimento de subir e descer o quadril, lembrando de ativar o abdômen. Realizar 3 séries de 10 repetições.
  • Exercício de Abdômen
Neste exercício, manter a posição de 30 segundos a 2 minutos. Repetir 3 vezes.
Neste exercício, simular o movimento de pedalar com as pernas, mantendo a pelve (bacia) e tronco estáveis. Realizar 3 séries de 10 repetições.

Ficou com alguma dúvida ou quer esclarecimento de outros assuntos? Manda pra gente que responderemos nos próximos textos.

Até logo e bom pedal!

Sobre o autor

Thamara Kinsk

Thamara Kinsk

Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário São Camilo (2014) com especialização em Reeducação Funcional da Postura e do Movimento (HCFM-USP). Junto a clínica Move, realiza recovery e massagem desportiva em eventos esportivos. Pratica ciclismo e corrida de rua.
___
Escreve sempre no primeiro sábado do mês.

Deixe um comentário