A expectativa é que a bicicleta se torne uma alternativa àqueles que se deslocam pela cidade de SP e tentam evitar aglomerações no transporte público.

A Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike) elaborou dez propostas ao poder público para estimular o uso de bicicletas no país em meio à reabertura das cidades diante da pandemia do novo coronavírus.

“É necessário que o poder público entenda e leve a sério esta questão – como já acontece em diversas partes do mundo”, disse a entidade.

A expectativa da Associação, que conta com mais de 80 associados, entre fabricantes, montadores, importadores, distribuidores e lojistas, é que a bicicleta se torne uma alternativa àqueles que se deslocam pela cidade e tentam evitar aglomerações no transporte público.

A elaboração das propostas acontece depois de a entidade registrar aumento de 50% nas vendas de maio, na comparação com o mesmo período do ano passado.

As 10 propostas

1 – Ampliar rede de ciclovias, ciclofaixas, bicicletas compartilhadas e bicicletários permanentes nas cidades brasileiras, além de permitir maior acesso de bicicletas ao transporte coletivo (intermodalidade).

2 – Reduzir a carga tributária sobre as bicicletas, para que a população tenha acesso a bicicletas mais baratas e de maior qualidade.

3 – Criar uma rede extra de ciclovias e ciclofaixas temporárias nas cidades brasileiras, para auxiliar os trabalhadores de atividades essenciais durante a pandemia e no processo de saída dela.

4 – Criar uma linha de crédito atrativa, junto aos bancos públicos, para financiamento de aquisição de bicicletas e bicicletas elétricas pela população brasileira.

5 – Distribuir um voucher de R$ 100 para custear especificamente a revisão e o conserto de bicicletas usadas pela população. 6. Alterar legislação trabalhista para obter pleno reconhecimento da bicicleta como meio de transporte por trabalhadoras e trabalhadores, incluindo a manutenção do vale-transporte pelo uso de bicicleta.

6 – Alterar legislação trabalhista para obter pleno reconhecimento da bicicleta como meio de transporte por trabalhadoras e trabalhadores, incluindo a manutenção do vale-transporte pelo uso de bicicleta.

7 – Criar uma política nacional de ciclologística para estimular e dar segurança às entregas feitas em bicicletas em todo o país – desde sempre consideradas um serviço essencial.

8 – Criar políticas públicas (nacionais e regionais) para desenvolvimento do cicloturismo, como forma de aquecer o turismo no país com segurança e distribuição de renda.

9 – Ofertar mais áreas para o ciclismo esportivo e para o lazer em todo o país.

10 – Criar um programa nacional de fortalecimento da economia verde, estimulando setores produtivos que contribuem ativamente para o combate às mudanças climáticas.

Fonte: uol.com.br

Sobre o autor

Avatar

Imprensa FPC

Deixe um comentário