Quando movemos as pernas empurrando os pedais, nem paramos pra pensar nesse movimento, e em como ele é importante no desempenho do pedal. Dependendo de como você pedalar, fará mais esforço ou poupará energia quando precisar. Entenda nessa matéria quais são as fases de um giro de pedal.

O que é pedalar, fases de pedalada e os músculos envolvidos

Pedalar consiste no movimento circular que realizamos no movimento central. Mas nem todos são iguais e há um tipo de pedalada mais eficiente que outra. Basicamente, há pedais de pistão e pedais redondos. O primeiro é típico dos ciclistas que têm pedais sem clip (sapatilha e pedal de encaixe) e estão “pisando” nos pedais, desperdiçando todo o movimento traseiro; é também o tipo de pedal que acontece quando avançamos em pé na bicicleta. Por outro lado, o pedal redondo é o mais otimizado, e é aquele, com clip, em que as duas pernas estão sempre fornecendo impulso em qualquer ponto do movimento circular. Mas, para entendê-lo melhor, veremos suas fases.

Empurrão da fase 1

Começar de uma parada é o que nos dá força suficiente para equilibrar e começar a pedalar. Aí exercemos força sobre o pedal para frente e para baixo e nosso quadríceps é responsável por transmitir a potência aos pedais.

Tração da fase 2

Quando o pé se aproxima do ponto mais baixo do pedal, a perna é esticada para começar a se retrair novamente. É aqui que gêmeos, isquiotibiais e glúteos entram em cena.

Elevação da fase 3

Essa fase é onde um pedal eficiente é diferente daquele que não é. Quando o pé começa a subir novamente por trás, não devemos nos deixar levar pelo aperto do pedal oposto, mas sim puxar o pé para compensar os esforços. Nesta fase, são os músculos do quadril que fazem o trabalho.

Avanço da fase 4

No final de um ciclo de pedalada, terminamos de pegar o pedal por trás e começamos a empurrar para frente novamente.

Fonte: https://www.brujulabike.com/fases-pedaleo-musculos/

Sobre o autor

Avatar

Imprensa FPC

Deixe um comentário