Quando a terceira etapa do Tour de France de 1924 estava prestes a começar, Albert London, que cobria a corrida para o diário francês Le Petit Parisien, decidiu ir à frente do pelotão, e esperá-lo passar.

Os pilotos deveriam deixar Cherbourg às 2 da manhã, com destino a Brest, cerca de 405 km de distância. London examinou a lista de pontos de controle e o calendário previsto. Seus olhos caíram em Granville, a 105 km da chegada.

Parecia um lugar tão bom quanto qualquer outro para uma primeira parada para observar a passagem dos pilotos. E London dirigiu até Granville.

Entre os pilotos aclamados pela multidão que se reunira, fora do Café de Paris em Cherbourg para as formalidades de pré-etapa estavam os irmãos Henri e Francis Pélissier, que estiveram entre as principais atrações do Tour de 1924.

Henri era o atual campeão do Tour, e Francis era o atual campeão nacional.

Embora recebidos com entusiasmo por multidões em toda a França, os irmãos tinham uma relação difícil com o Tour e seus organizadores.

Henri abandonou a corrida em 1919 por estar 20 minutos à frente após apenas três etapas, uma vantagem que o levou a se comparar a um puro-sangue cercado por cavalos de carroça.

Isso não caiu bem para seus rivais, que então conspiraram e atacaram quando o líder parou para mecânica em Les Sables d’Olonne.

Henri perdeu mais de 30 minutos, então declarou a corrida “coisa para condenados” e a abandonou. Isso levou Henri Desgrange, o editor do L’Auto, a escrever que Henri não tinha ninguém para culpar a não ser ele mesmo.

No ano seguinte, Henri abandonou a corrida novamente, com Desgrange desta vez opinando que “este Pélissier não sabe como sofrer, ele nunca vai ganhar o Tour de France”, embora, é claro, Henri provaria que Desgrange estava errado nesse ponto.

Valem mil pneus

Enquanto Henri, Francis e o resto do pelotão, incluindo seu companheiro de equipe líder da corrida Ottavio Bottecchia, saíam de Cherbourg às 2 da manhã, London estava indo para Granville. Quatro horas depois, o jornalista estava à beira da estrada na cidade antecipando a chegada do pelotão, com a caneta em punho.

Às 6h10, um grupo de cerca de 30 pilotos passou. A multidão gritou por Henri e Francis, mas os irmãos não estavam em lugar nenhum. Um minuto depois, outro grupo chegou; novamente os gritos aumentaram, novamente os Pélissiers não estavam no grupo. London estava confuso. Onde eles estavam?

Em seguida, chegou a notícia de que os irmãos já haviam abandonado a corrida, junto com seu companheiro de equipe no Automoto, Maurice Ville. Agora London enfrentava uma decisão. Ele deveria continuar com a corrida ou deveria tentar encontrar Henri e Francis?

“Demos meia-volta com o Renault e, sem piedade nos pneus, voltamos para Cherbourg”, escreveu London no dia seguinte. “Os Pélissiers valem mil pneus.”

Ele ainda não sabia, mas estava prestes a ficar com o furo do Tour, talvez de todos. Quando London chegou a Coutances, o ponto de controle antes de Granville, ele parou e perguntou a um menino se ele tinha visto os irmãos Pélissier. O menino disse que sim.

“Onde eles estão agora?”, perguntou London. “No Café de la Gare”, foi a resposta. “Todo mundo está lá.”

© proreport-pelissier

Uma questão de camisetas

Na verdade, todo mundo estava lá mesmo. London teve que lutar contra a multidão para encontrar os irmãos, junto com Ville – “três camisetas instaladas em frente a três tigelas de chocolate quente”.

A entrevista que aconteceu ao redor daquela mesa em Coutances, e o exclusivo de primeira página espalhado no Le Petit Parisien no dia seguinte, foi um dos artigos mais significativos do jornalismo sobre o ciclismo da época.

London, perplexo com o motivo do abandono de Henri e Francis, perguntou se um deles havia sofrido um golpe na cabeça. “Não”, respondeu Henri. “Só que não somos cachorros”, antes de continuar a explicar que tudo se resumia a “uma questão de camisetas”.

“Esta manhã, em Cherbourg, um comissário veio até mim e, sem dizer nada, levanta minha camisa”, disse Henri a London. “Ele garantiu que eu não tivesse duas camisetas. O que você diria se eu levantasse sua jaqueta para ver se você tinha uma camisa branca? Não gosto dessas maneiras, só isso.”

As regras da corrida diziam que um piloto tinha que terminar com o mesmo equipamento e roupa com que começou. “Então, eu fui encontrar Desgrange”, Henri continuou. “Não tenho o direito de jogar minha camisa na estrada, então?”

Desgrange disse a Henri que não, e que ele não iria discutir isso na rua. “Se você não vai discutir isso na rua, vou voltar para a cama”, disse Henri.

Perguntas sobre o número de camisetas usadas acabaram sendo apenas a ponta do iceberg. No café, os irmãos falaram mais.

“Sofremos do início ao fim”, disse Henri. ‘Você quer ver como nós pilotamos? Isso é cocaína para os olhos e clorofórmio para as gengivas. E pílulas? Você quer ver os comprimidos? Aqui estão alguns comprimidos.” Cada um puxou uma pequena caixa. “Em suma”, disse Francis, “estamos pedalando ‘dinamite’”.

O artigo resultante desse dia abriu a tampa sobre a realidade das corridas do Tour e entrou para a história do ciclismo como ‘Os condenados da estrada’, embora o título do artigo original fosse o mais prosaico: ‘Os irmãos Pélissier e seu companheiro de equipe Ville abandonam’.

Ottavio Bottecchia venceu aquele Tour com facilidade, deixando muitos questionando se o verdadeiro motivo de Henri ter abandonado a corrida fosse evitar ser derrotado por um companheiro de equipe que ele já admitia estar “cabeça e ombros acima do resto de nós”.

Onze anos depois que a foto no topo dessa matéria foi tirada, Henri estava morto, baleado por sua amante que, temerosa por sua própria vida durante uma discussão, pegou uma arma de uma mesa de cabeceira e a apontou para o ex-vencedor do Tour.

Francis, por sua vez, teve uma carreira de sucesso como diretor de equipe de ciclismo.

Baseado no artigo de GILES BELBIN do site https://www.cyclist.co.uk/

Sobre o autor

Avatar

Imprensa FPC

Deixe um comentário